Categoria Sem categoria

FARMACÊUTICO(A) COMUNITÁRIO(A)

Ele(a) está, a todo momento, pronto para atender os clientes, mas as funções do farmacêutico vão muito além do atendimento. Desse modo, o profissional é responsável desde o monitoramento do estoque até verificar sinais e sintomas dos pacientes que precisam de ajuda.

Confira todas as funções do profissional no dia a dia e entenda um pouco mais sobre o papel do farmacêutico:

  • Atividades não clínicas
  • Aquisição e monitoramento do estoque;
  • Recebimento, armazenamento e conservação dos medicamentos;
  • Fracionamento de medicamentos;
  • Manipulação de fórmulas magistrais e oficinais;
  • Intercambialidade de medicamentos;
  • Realização do exame físico do medicamento;
  • Elaboração do Manual de Boas Práticas de Dispensação;
  • Realização dos Procedimentos Operacionais-Padrão (POPs);
  • Desenvolvimento do Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS);
  • Treinamento e capacitação dos funcionários;
  • Atualização da documentação legal;
  • Uso de ferramentas administrativas e financeiras, como escrituração de medicamentos no Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC), sistema de controle de estoque de medicamentos, cadastro de fornecedores, entre outros.

Atividades clínicas (de acordo com a Resolução do Conselho Federal de Farmácia – CFF – 565)

  • Estabelecer e conduzir uma relação de cuidado centrada no paciente
  • Desenvolver, em colaboração com os demais membros da equipe de saúde, ações para a promoção, proteção e recuperação da saúde, e a prevenção de doenças e de outros problemas de saúde;
  • Participar do planejamento e da avaliação da farmacoterapia, para que o paciente use de maneira segura os medicamentos de que necessita, em doses, frequência, horários, vias de administração e duração adequados, contribuindo para que o mesmo tenha condições de realizar o tratamento e alcançar os objetivos terapêuticos
  • Analisar a prescrição de medicamentos quanto aos aspectos legais e técnicos;
  • Realizar intervenções farmacêuticas e emitir um parecer farmacêutico a outros membros da equipe de saúde, com o propósito de auxiliar na seleção, adição, substituição, ajuste ou interrupção da farmacoterapia do paciente;
  • Prover a consulta farmacêutica em consultório farmacêutico em consultório farmacêutico ou em outro ambiente adequado, que garanta a privacidade do atendimento;
  • Fazer a anamnese farmacêutica, bem como verificar sinais e sintomas, com o propósito de prover cuidado ao paciente;
  • Prevenir, identificar, avaliar e intervir nos incidentes relacionados aos medicamentos e a outros problemas relacionados à farmacoterapia;
  • Identificar, avaliar e intervir nas interações medicamentosas indesejadas e clinicamente significantes.

Fonte: Guia da Farmácia – edição 302

TECNOLOGIA FARMACÊUTICIA

É o ramo da ciência aplicada que visa a obter preparações farmacêuticas dotadas de máxima atividade, doseadas com maior precisão e apresentação que lhes facilitem a conservação e a administração.

Tem como objetivos, a transformação de produtos naturais ou de síntese tornando-os possíveis de serem administrados aos seres humanos, com fins curativos, paliativos, profiláticos ou de diagnóstico; a definição de diversas formas que pode assumir o medicamento, de modo que possa ser facilitada sua posologia, administração e ação farmacológica; pesquisar o desenvolvimento de produtos visando utilização de um mesmo medicamento em diferentes formas farmacêuticas, que atendam a todas às necessidades humanas.

Fonte: Portal da Farmácia