Autor Admin

Servidores de Saúde ameaçam paralisar serviços após decisão do Governo de RO

Profissionais estão revoltados após o governo aumentar gratificação dos médicos em até R$ 15 mil e os demais servidores receberem R$ 800,00.

A notícia sobre o aumento da gratificação para os servidores que trabalham na linha de frente de combate ao coronavírus, parece que não agradou a todos esses profissionais.

Isso porque, segundo alguns, o Governo de Rondônia deu um aumento enorme no benefício para os médicos e ‘mixaria’ para o restante.

No documento, publicado nesta quarta-feira (24), o governo estadual beneficia com um valor que vai de R$ 800 à R$ 15 mil, todos os profissionais de saúde de Rondônia.

Um projeto de Lei aprovado pela Assembleia Legislativa, em janeiro deste ano, gratificava os médicos em até 5 mil, dependendo da área de atuação e carga horária e em R$ 300 para os demais servidores.

Agora, o novo projeto também aprovado pela Casa de Leis, aumentou o valor recebido pelos profisisonais.

Para os doutores Intensivistas que atuam nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), com um grau de dificuldade altíssimo, a gratificação triplicou e passou de 5 para R$ 15 mil.

Já para os médicos Generalistas, que trabalham exclusivamente nas UTIs, o valor é de R$ 10 mil.

Para o restante dos profissionais, de nível fundamental, médio e superior, o auxílio do governo, limitou-se em R$ 800,00.

Ameaça de paralisação

Segundo a vice-presidente do Sindicato dos Farmacêuticos de Rondônia, Lerida Vieira, a ação do governo é estarrecedora.

“A gente fica triste com essa postura do Governo. Quando eles dão uma gratificação de R$ 800 pra gente, está muito claro que o governo não reconhece que o sistema funciona com os serviços dos outros profissionais e não só dos médicos”, declarou.

A vice-presidente diz ainda entender que os médicos recebam o valor dado, mas que os demais profissionais também recebam o justo.

“Não temos nada contra os médicos, agora os demais profissionais terem uma gratificação de R$ 800 é uma falta de respeito”, afirma.

Ainda de acordo com Lerida, todos os sindicatos em defesa da saúde, irão se reunir até a próxima sexta-feira (26), para decidir que postura irão tomar.

Ela prometeu,que, caso o governo mantenha essa decisão, os servidores de saúde irão paralisar os serviços.

Fonte: https://rondoniaovivo.com/noticia/geral/2021/03/24/revolta-servidores-de-saude-ameacam-paralisar-servicos-apos-decisao-do-governo-de-ro.html

FARMACÊUTICOS ELABORAM PAUTA PARA O SEGMENTO HOSPITALAR

Aconteceu nesta terça-feira, 23, a Assembleia Geral Extraordinária dos Farmacêuticos do segmento hospitalar de Rondônia, para elaboração da pauta de reivindicação que será entregue à representação patronal.

Participaram da assembleia geral cerca de 18 Farmacêuticos, que teve início às 10:30. Foram apresentadas propostas, com os devidos debates.

O segmento Farmacêutico hospitalar teve a sua última convenção coletiva vigente em maio de 2018, desde então, os profissionais estão sem reajuste salarial, em decorrência da ausência de uma norma coletiva vigente.

Em 2018 os sindicatos estavam perecendo por causa da reforma trabalhista, que retirou a principal fonte de renda da entidade.

Logo em seguida, o sindicato patronal, que também foi atingido pela reforma trabalhista, permaneceu aberto de forma precária, reativando suas atividades no final de 2020.

A Assembleia Geral extraordinária permanecerá aberta até às 18:00, de sexta-feira, 26. Os Farmacêuticos desejarem participar, deverão encaminhar cópia dos documentos pessoais e a cópia do último contracheque para o e-mail sinfar.ro@gmail.com.

Tal medida é necessária para garantir a legalidade e a legitimidade da assembleia geral para apresentar uma pauta de negociação.

Da redação.